Instalei o Grand Chase


Pai e filho por Maria Castro

Fonte: http://www.flickr.com/search/?q=pai+e+filho&m=text

Pois eu instalei o Grand Chase para o Matheus e, caramba!, foi um gol, pois ele queria muito ter o game instalado em seu computador. Então, fiquei pensando: ora, as vezes perdemos tanto tempo, em especial com nossas atividades profissionais, nos atormentando e nos estressando de tal modo que o tempo para os nossos filhos fica por ali, como areia escorrendo pelos dedos, como um dia que passa rápido, como um sonho daqueles que esquecemos ao acordar. Parece que os momentos de prazer com nossos filhos podem sempre esperar, ser mandados para um futuro que pensamos estar logo ali, ao alcance de um passo de distância. Sabe por que? Porque eles, enquanto meninos, enquanto adolescentes ficam muito próximos de nós. Aí o tempo nos prega uma peça, a ampulheta se torna implacável e, um dia – zás! eles já estão por aí, no mundo, pouco nos escutando, pouco nos envolvendo em seus assuntos, pouco nos segredando, pouco nos tratando como cúmplices, igual ao que fizemos – parece que decorreram séculos – em relação aos nossos pais.

É incrível como somos, depois de algumas décadas, os nossos pais e como podemos entendê-los na medida em que os nossos relógios biológicos fazem com que o tempo vivido por nós se aproxime das recordações que temos deles. E aí nossos filhos se orientam, se traduzem e se historicizam de acordo com o que eles compreendem de suas infâncias, dos tempos que passaram conosco e da própria construção de suas adultezas. Todo crescimento traz suas dores, todas as experiências, sem dúvida, tem mais de duas faces. A dor dos pais não é o crescimento dos filhos, mas a diminuição do seu papel na rede de influências e na importância de sua voz nos momentos de vida com seus filhos. Se você for separado, isso é mais claro ainda, pela perda da proximidade física. Estamos por ali, mas só.

A tristeza do luto é a de que você não é mais um herói (embora, dependendo da sua história continue a ser uma referência forte) como na meninice de suas crianças; tal cenário se esvai, nuvens de lembranças no céu. Você agora tem de responder àquilo que você imaginariamente ou de fato fez ou deixou de fazer ou de cumprir ou de dizer. Alguns filhos acham que os pais devem carregar, ainda, como um bônus adicional, um peso vago de culpa, que deve ser cultivada e implementada sempre que necessário.

Ou isso, ou você é um pai outsider.

Acho que sou outsider doido cujo sonho maior é viver instalando Grand Chases por aí, mesmo que o tempo tenha decorrido. Ali estarei, figura chapliniana, meio tremendo às sombras do vento e com frio mas, utilizando metáforas, instalando Games, mesmo que eu não saiba exatamente como funcionam; eu vou estar por perto, talvez tentando adivinhar o desenho de uma folha de árvore que cai, voluteando ao sabor da luz do sol, talvez aqui, talvez em meio ao sonho perdido de uma neve em Nova Iorque, em pleno inverno, esperando o sorriso que passa entre as tão largas estradas da minha vida.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s