De pronto!


Power Hungry por aknacer

Fonte:  

Nós devemos eliminá-los, subjugá-los, os tornarmos nossos escravos, até que sejam todos extintos e que, com o passar dos anos, mesmo as suas lembranças se percam em névoas, em incertas impressões postas em algum lugar perdido nos escaninhos do tempo. E todos sabemos já por que devemos exterminá-los, submetê-los; simplesmente não podemos permitir, em nome do que somos e do que construímos, que esses outros nos tragam inseguranças, nos ameacem de modo tão oblíquo e insidioso. Se não aceitam quem somos, como somos e o modo como vivemos; se criticam a nossa cultura, nossos deuses e memórias, se ridicularizam nossa maneira de agir e de pensar, que não nos atrapalhem, que não difamem as nossas famílias, que não tentem levar à bancarrota os nossos negócios, seja diminuindo nossos lucros, seja incrementando nossos custos e prejuízos, de todo modo nos impedindo a fortuna.

Nascemos para o progresso de nossos planos e nossos domínios marítimos e territoriais cada vez mais se expendem, levando nossas luzes aos ignorantes, aos mercenários, pelo que assumimos nossa missão redentora, civilizatória, no sentido de colonizar os bárbaros, os néscios. Nossas eventuais limitações não devem nos paralizar, nos engessar dentro do que já somos. Devemos explorar ao máximo a grandeza histórica de nosso povo, a reconhecida destreza e eficácia de nossos exércitos. Não restemos acanhados ou moralmente constrangidos na defesa de nossos interesses, pois são os mesmos necessários em sua gênese e éticos em seus fundamentos. A compreensão, a convivência co outros não deve nos tornar fracos e impassíveis, menos ainda impotentes como os homens que se perdem em elocubrações filosóficas e morais aos quais falta a coragem, a bravura, o destemor de empreender o que deles se espera. Combatamos o bom combate, que é o da nossa ascenção; nos comportemos como romanos: se vis pacem para bellum é o lema herdado que nos conduzirá à frente. Aos inimigos do Estado, aos derrotados e aos que se interpoem entre nós e nosso destino redentor, apresentemos nossa repulsa e nossas masmorras.

Tomemos o que é nosso e nos pertence de direito e anexemos ainda o que julguemos nobre e passível de riqueza no interesse supremo do nosso povo.  Consagremos nossa religião, nossos mandamentos, nossas cartas como a única e inviolável defesa da nossa sociedade e de nossos princípios éticos. Devemos espalhar ao mundo as benesses dos nossos Pais, da sua sempre nobre mensagem de paz, de solidariedade e mesmo de piedade eterna àqueles que vociferam e destilam seu fel contra nós. Sejamos progressistas ao proporcionarmos aos demais povos as nossas inteligências, a nossa religião, para que eles não mais chafurdem nos seus mitos de todo abomináveis. O mundo, este lugar inigualável de fortunas e de bem estar existe para que nele plantemos as nossas raízes sociais, culturais, religiosas e economicas fecundas e de todo resplandescentes. Levemos a nossa mensagem às mais longínquas paragens, para que sejamos todos abençoados em nosso mais belo poema, o da civilização plantada em meio a hostilidade que nos cerca.

Aos opositores cruéis de nossas glórias, aos que nos detratam e que querem impedir nossas vitórias, se nada mais restar, que provem do fio do nosso aço e do nosso ódio.

Ataquemos, pois, e de pronto!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s