O mito da caverna de Platão


O mito da caverna de Platão, que faz parte de A República, escrito em aproximadamente 375 a.C. é considerado uma alegoria(1), uma metáfora  que remete ao condicionamento do homem aos paradigmas sob os quais funda sua presença no meio em que vive. Assim é que a alegoria é entendida como o contraste entre a escravidão e a liberdade, entre a doxa e a gnose, entre as sombras sob as quais convivem os prisioneiros, eternos desterrados de si mesmos, e a realidade, para os mesmos tão furtivamente escondida. Entender a história em si é ressignificá-la de modo mais abrangendo, mesmo além do que possamos deter em nossa imaginação no inefável cotidiano; é pensar de modo tal que nossas convicções, tão firmemente ancoradas pelas gerações que nos precederam, parecem fluidificar-se, volatizar-se ante o que podemos, talvez pela primeira vez, assistir, não na condição de espectadores, mas na de fundadores das micro histórias que fundam a todos nós. HILTON BESNOS.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s