O amor não requer compromissos


Sapere Aude, 16 de  outubro de 2009.

O amor  não requer horários, compromissos, agendamentos; nem sequer sacrifícios ele requer; estar amando não é estar a mando de, por qualquer motivo que se imagine. O amor não é posse, embora possuamos e sejamos possuídos no amor, nem tampouco domínio, embora nos ponhamos tão dominados; é plena liberdade. Não amamos se não nos sentimos livres, em paz. Não se define, não se troca, não se barganha, não se mercancia com o amor. Talvez o mais sublime do amor seja conviver com tudo isso e continuar com o seu encanto, e nos aquecer tanto a alma e os sentidos. É, talvez o o amor seja isso, um misto de nossos desejos e  desvarios.

Amar para o futuro é quase-amar, para o passado é lembrança. O amor é agora, ele simplesmente é. Sendo tudo, não se reduzindo a nada, é uma fímbria, uma tessitura, um horizonte que nos torna mais humanos, mais próximos, mais amigáveis, enfim mais amoráveis. O amor é mesmo a saudade dos momentos de paixão que poderíamos ter tido, mas não tivemos. De todo, renunciarmos ao amor é esquecermos não apenas o mundo, mas, especialmente, de nós mesmos. Amor é poesia, é música, é dizer, é muito mais do que confusamente poderíamos tentar explicar.

Exercitemos pois o amor; as luzes e o calor nos aquecerão. Não percamos nossos tempos; o amor, esse moleque, nos espera inesperadamente no brilho do olhar que, até então era somente um olhar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s