Matheus: já sei ler e escrever


.Literacy. por .krish.Tipirneni.

Fonte: http://www.flickr.com/search/?q=literacy&m=text

Em 2008.

Pois meu filhote de seis anos, por esses dias, comentou:

“-Pai, saber ler e escrever muda muita coisa.”

” -Por que?, filho, eu quis saber. “Porque quando eu não sabia ler nem escrever, eu olhava as letrinhas e pronto. Hoje, quando eu olho as letrinhas sei que são palavras, e então eu tenho que ler tudo que vejo!”, foi a resposta.

Achei interessante refletir sobre isso. Sabemos que ler é mais do que decifrar um código. Esse, o da decifração, o das hipóteses formuladas, é apenas o primeiro passo, mas até que seja conferida uma significação e se entenda o sentido pleno do que se lê há todo um processo de qualificação, de aprendizagem, que necessita de um tempo e de um processo progressivo, que sempre será mediado por terceiros e no qual há um mundo de circunstâncias que comporão o cenário para a solidificação desse conhecimento.

O encantamento de saber ler, de claramente entendermos o que se lê, abre não só um instrumental indispensável em uma sociedade letrada mas cria o hábito de prosseguirmos com o papel de leitor, que será mais ou menos aprofundado ao  longo do tempo. Se antes as letras eram apenas reconhecíveis como tal, hoje elas são frases, e com o tempo, além daquelas, mas histórias, estórias, mensagens, textos, letras de músicas, recadinhos, contas, contos, crônicas, romances, relatórios, cartas, discursos, poesia, memórias, bilhetes mais ou menos furtivos; as letras não apenas se juntarão, mas estabelecerão coerências, coesões, transmitirão vontades, visões de mundo, implicarão na nossa existência.

É bem possível que meu filhote não tenha ainda uma noção do que virá, mas, na sua idade e já alfabetizado, tem muito claro que a sua vida mudou (e com ela, a nossa!); já está mergulhado completamente em um mundo ainda desconhecido mas que irá ser um dos alicerces que configurará não só a sua história mas que será constituidor de sua identidade. A cada vez que lemos, mudamos um pouco, refletimos, nos excitamos um pouco, ficamos em paz, entramos em estado de alerta.

A experiência nos reserva o papel de filtragem. Lemos coisas boas e ruins porque queremos, mas admitir isso requer uma aquisição cultural que somente se dá através do mundo letrado, em seu sentido maior, o que inclui a arte, a ciência, a tecnologia, as trocas de informações e a própria experiência humana. Que bom mergulharmos nesse mundo, de todo uma viagem da qual, raramente queremos abrir mão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s